Brasil deve se preparar para estação mais quente e chuvosa com impacto de El Niño

Especialistas e institutos explicam os fatores que serão predominantes na estação que se aproxima. Temperarutas devem ficar acima da média em todas as regiões do país.

Exatamente às 20h22, horário de Brasília, do dia 21, terá início o verão 2018/2019 no Hemisfério Sul, que promete ser mais quente e chuvoso do que o anterior. De acordo com prognósticos do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC-Inpe) e do Instituto Nacional de Meteorologia, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Inmet-Mapa), a temperatura média em todo o Brasil no trimestre dezembro, janeiro, fevereiro deverá superar os 31.5ºC registrados no mesmo período de 2017/2018.

Farout: o planeta anão cor-de-rosa que é o objeto mais distante já observado no Sistema Solar

Nova espécie de anfíbio cego que enterra a cabeça na areia é batizada com o nome de Donald Trump

Como o calor forte ameaça a saúde

E quando se vão os anéis de Saturno?

Mudanças climáticas: por que imagens sem seres humanos não são as mais adequadas para ilustrar as causas do aquecimento global

País deve sentir verão mais quente e chuvoso que anterior

País deve sentir verão mais quente e chuvoso que anterior

A explicação para isso, segundo a climatologista Alice Macedo, do Grupo de Previsão Climática do CPTEC, está na ocorrência do fenômeno El Niño, que também vai causar alterações no regime pluviométrico em boa parte do país.

“Embora desta vez ele esteja classificado como de intensidade de fraca a moderada, é característico dele que eleve a temperatura do Brasil”, explica. “O El Niño também está envolvido no aumento de chuvas em algumas regiões e diminuição em outras.”

O El Niño – Oscilação Sul (ENOS), seu nome completo, é um fenômeno natural, que ocorre a intervalos irregulares, que podem variar de 2 a 7 anos, com duração de seis a 18 meses. Ele é causado pelo aquecimento acima do normal das águas do Oceano Pacífico à altura da linha do Equador, entre as costas oeste da América do Sul e leste da Oceania.

O resultado disso é sentido em todo o mundo, com secas mais intensas em algumas partes, como, por exemplo, Austrália, Filipinas, Equador e regiões Norte e Nordeste do Brasil, e chuvas torrenciais e inundações em outros, como no sul país e no México e Estados Unidos.

Além disso, os verões e primaveras podem ser mais quentes em regiões como o Sudeste brasileiro e os invernos mais intensos em outras, como a Europa, os furacões mais moderados no Atlântico e os ciclones mais fortes no Pacífico. O último El Niño ocorreu entre o final de 2015 e início de 2016 e foi um dos mais intensos já registrado, desde que o fenômeno começou a ser monitorado em 1950.