Isolamento de Bactérias

0
93

 

Introdução Na aula anterior procederam à sementeira e inoculação de meios agar nutriente e caldo nutriente, com microrganismos do corpo humano e do meio ambiente.Os Objectivos desta aula consistem de: (1) isolamento em cultura pura apartir das culturas mistas que foram obtidas nessa aula, em meio sólido, o agar nutriente, através da técnica de sementeira por esgotamento (streak plate); (2) Análise do crescimento em meio liquido, caldo nutriente, e correlação com as necessidades de oxigénio dos microrganismos presentes. Material e Métodos -caixas de petri com agar nutriente e colónias em desenvolvimento -tubos de caldo nutriente com crescimento -ansas de inoculação -caixas de petri com agar nutriente estéril -lamparinas de álcool ou bicos de Bunsen 1. Observe o desenvolvimento de colónias de microrganismos no meio agar nutriente. Registe a forma, tamanho, cor, elevação, bordos, das colónias desenvolvidas. Quantos tipos distintos de colónias se desenvolveram? Qual a proveniência dessas colónias? 2. Observe o crescimento de microrganismos no meio caldo nutriente. Registe a formação de (a) turvação homogénea; (b) sedimento; (c) pelicula superficial. Classifique os microrganismos relativamente às necessidades de oxigénio. 3. Seleccione 2 a 3 tipos distintos de colónias desenvolvidas no agar nutriente. Anote as caracteristicas morfológicas das colónias seleccionadas. 4. Com uma ansa préviamente esterilizada à chama e arrefecida, toque numa das colónias escolhidas e semeie em placa de agar nutriente, seguindo os movimentos exemplificados na figura e fotocópia anexa, relativas a sementeira por esgotamento. Esterilize a ansa antes de cada arrastamento. Anote na placa de petri de onde provem o inóculo e a data. Repita o mesmo procedimento para os outros tipos de colónias seleccionadas. 5. Após as sementeiras inverta as caixas e incube a 30-37oC, 48h. Cuidado para não contaminar os meios. Observe as condições de asépsia. Abra a tampa das caixas apenas o necessário para as inoculações. Trabalhe sempre junto á chama da sua lamparina. Após incubação os alunos examinarão as placas e verificarão se obtiveram culturas puras. Para o sucesso desta experiência é necessário trabalhar com assépsia, ter cuidado na selecção das colónias, tocar com a ansa apenas numa colónia seleccionada, ter cuidado com os movimentos da ansa em cima do agar de modo a obter um bom isolamento das novas colónias Supondo que a sua experiência foi bem sucedida e que possui em cada caixa de meio apenas um tipo de colónia, irão proceder da seguinte forma: 1. Efectuar um esfregaço e corá-lo de acordo com a metodologia da coloração de Gram (refira-se ao protocolo sobre esta coloração). 2. proceder ao teste da Catalase: Coloque uma gota de peróxido de hidrogénio a 3% numa lâmina de vidro limpa; retire um pouco da sua colónia com uma pipeta Pasteur préviamente esterilizada à chama; verifique se se libertam bolhinhas (reacção positiva) ou não (reacção negativa). 3. proceder ao teste da Oxidase, utilizando slides DIFCO “Dryslide Oxidase” ou bastonetes da Oxidase da OXOID. As bactérias oxidase positivas possuem a enzima citocromo c oxidase, a qual permite a oxidação de determinados compostos aminados. Reporte-se á bibliografia indicada para interpretação dos resultados. Com os dados da coloração de Gram, oxidase e catalase talvez já consiga saber qual o género (géneros) da sua bactéria desconhecida. Bibliografia: Seeley, HW Jr, Vandermark, PJ, Lee, JJ (1991). Chapter 9, 38