A soberania de Jeová e o Reino de Deus

0
18

 

“Tuas, ó Jeová, são a grandeza, e a potência, e a beleza, e a excelência, e a dignidade . . . Teu é o reino, ó Jeová.” — 1 CRÔNICAS 29:11.

1. Por que Jeová é o legítimo Soberano do Universo?

“JEOVÁ é que estabeleceu firmemente seu trono nos próprios céus; e seu próprio reinado tem mantido domínio sobre tudo.” (Salmo 103:19) Com essas palavras, o salmista mostrou a verdade básica sobre domínio. Jeová Deus, sendo o Criador, é o legítimo Governante Soberano do Universo.

2. Como Daniel descreveu o domínio espiritual de Jeová?

É claro que para um governante exercer sua soberania é preciso haver súditos. Em primeiro lugar, Jeová exerceu seu domínio sobre criaturas espirituais que ele criou — primeiro, seu Filho unigênito e depois as hostes angélicas. (Colossenses 1:15-17) Bem mais tarde, o profeta Daniel teve um vislumbre do cenário celestial. Ele disse: “Eu estava observando até que se colocaram uns tronos e o Antigo de Dias se assentou.  . . . Mil vezes mil lhe ministravam e dez mil vezes dez mil ficavam de pé logo diante dele.” (Daniel 7:9, 10) Por eras infindáveis Jeová, “o Antigo de Dias”, governou como Soberano sobre sua enorme e ordeira família de filhos espirituais, que serviam como “ministros” fazendo Sua vontade. — Salmo 103:20, 21.

3. Como a soberania de Jeová se estendeu sobre o Universo físico?

Com o tempo, Jeová estendeu seu domínio por criar o vasto e complexo Universo físico, incluindo a Terra. (Jó 38:4, 7) Para quem observa da Terra, os corpos celestes funcionam com tanta ordem e precisão que parecem não precisar de ninguém para guiá-los ou governá-los. No entanto, o salmista declarou: “[Jeová] mesmo deu ordem, e foram criados. E ele os mantém estabelecidos para sempre, por tempo indefinido. Deu um regulamento, e este não passará.” (Salmo 148:5, 6) Jeová sempre exerceu sua soberania por administrar, regular e governar as atividades do domínio espiritual e do Universo físico. — Neemias 9:6.

4. Como Jeová exerce sua soberania sobre os humanos?

Ao criar o primeiro casal humano, Deus exerceu sua soberania ainda de outra maneira. Além de dar aos humanos tudo o que precisavam para levar uma vida gratificante e com objetivo, Jeová lhes concedeu domínio sobre as criaturas inferiores da Terra, ou seja, deu a eles autoridade. (Gênesis 1:26-28; 2:8, 9) Assim, fica claro que o domínio de Deus não só é benevolente e bondoso, mas também dá aos seus súditos honra e dignidade. Desde que se sujeitassem à soberania de Jeová, Adão e Eva teriam a perspectiva de viver para sempre num lar paradísico na Terra. — Gênesis 2:15-17.

5. O que podemos dizer sobre o modo de Jeová exercer sua soberania?

O que podemos concluir de tudo isso? Primeiro, que Jeová sempre exerceu sua soberania sobre toda a sua criação. Segundo, que o governo de Deus é benevolente e dignificante. E, por último, que obedecer ao governo de Deus e apoiá-lo resultará em bênçãos eternas. Não é de admirar que o Rei Davi, do Israel antigo, se sentisse motivado a dizer: “Tuas, ó Jeová, são a grandeza, e a potência, e a beleza, e a excelência, e a dignidade; pois teu é tudo nos céus e na terra. Teu é o reino, ó Jeová, que te ergues como cabeça sobre todos.” — 1 Crônicas 29:11.

Por que o Reino de Deus é necessário?

6. Qual é a relação entre a soberania de Deus e o seu Reino?

Visto que Jeová, o Soberano do Universo, sempre exerceu seu poder, por que o Reino de Deus é necessário? Um soberano geralmente exerce sua autoridade por meio de um órgão que domina sobre seus súditos. Portanto, o Reino de Deus é uma manifestação ou exercício da soberania universal de Deus para com suas criaturas, o meio ou órgão que ele usa para exercer seu domínio.

7. Por que Jeová estabeleceu uma nova expressão de sua soberania?

Jeová manifestou sua soberania de formas diferentes em épocas diferentes. Ele estabeleceu uma nova expressão de sua soberania por causa de uma situação nova que surgiu. Isso ocorreu quando Satanás, um filho espiritual de Deus que se rebelou, conseguiu influenciar Adão e Eva a se voltarem contra o governo de Jeová. Essa rebelião foi um desafio à soberania de Deus. Como assim? Por dizer a Eva que ela ‘positivamente não morreria’ se comesse do fruto proibido, Satanás insinuou que Jeová era mentiroso e, portanto, não merecia confiança. Além disso, Satanás disse a Eva: “Deus sabe que, no mesmo dia em que comerdes dele, forçosamente se abrirão os vossos olhos e forçosamente sereis como Deus, sabendo o que é bom e o que é mau.” Satanás deu a entender que Adão e Eva poderiam se sair melhor se desconsiderassem a ordem de Deus e levassem um modo de vida independente. (Gênesis 3:1-6) Isso foi um desafio direto à legitimidade do governo de Deus. O que Jeová faria?

8, 9. (a) Como um governante humano lidaria com uma rebelião no seu domínio? (b) O que Jeová fez com respeito à rebelião no Éden?

O que se espera que um governante faça quando ocorre uma rebelião direta no seu domínio? Quem conhece a história pode se lembrar de alguns casos assim. Em vez de desconsiderar o assunto, geralmente um soberano — mesmo que seja benevolente — julga os rebeldes e os declara culpados de traição. Daí, o governante talvez dê autoridade a alguém para que controle as forças rebeldes e restaure a paz. De modo similar, Jeová mostrou que tinha pleno controle da situação quando tomou ação imediata e julgou os rebeldes. Ele declarou que Adão e Eva não eram dignos de receber a dádiva da vida eterna e os expulsou do jardim do Éden. — Gênesis 3:16-19, 22-24.

Ao proferir julgamento contra Satanás, Jeová revelou uma nova expressão de sua soberania, um meio pelo qual restabeleceria a paz e a ordem em todo o seu domínio. Ele disse a Satanás: “Porei inimizade entre ti e a mulher, e entre o teu descendente e o seu descendente. Ele te machucará a cabeça e tu lhe machucarás o calcanhar.” (Gênesis 3:15) Desse modo, Jeová revelou que seu propósito era dar autoridade a um “descendente” para esmagar a Satanás e suas forças rebeldes e provar a legitimidade de Sua soberania. — Salmo 2:7-9; 110:1, 2.

10. (a) Quem veio a ser o “descendente”? (b) O que Paulo disse sobre o cumprimento da primeira profecia?

10 Esse “descendente” veio a ser Jesus Cristo junto com um grupo distinto de governantes associados. Juntos, eles compõem o Reino Messiânico de Deus. (Daniel 7:13, 14, 27; Mateus 19:28; Lucas 12:32; 22:28-30) Tudo isso, porém, não foi revelado imediatamente. De fato, o cumprimento da primeira profecia permaneceu um “segredo sagrado que por tempos de longa duração [tinha] sido guardado em silêncio”. (Romanos 16:25) Por séculos, homens de fé ansiavam o tempo em que o “segredo sagrado” seria revelado e a primeira profecia se cumpriria para a vindicação da soberania de Jeová. — Romanos 8:19-21.

“O segredo sagrado” é revelado aos poucos

11. O que Jeová revelou a Abraão?

11 Com o tempo, Jeová foi revelando aos poucos aspectos do “segredo sagrado do reino de Deus”. (Marcos 4:11) Entre as pessoas a quem Jeová fez isso estava Abraão, que foi chamado de “amigo de Jeová”. (Tiago 2:23) Jeová lhe prometeu que faria dele “uma grande nação”. Mais tarde, Deus revelou adicionalmente a Abraão: “Reis sairão de ti” e “todas as nações da terra hão de abençoar a si mesmas por meio de teu descendente”. — Gênesis 12:2, 3; 17:6; 22:17, 18.

12. Como o descendente de Satanás se manifestou depois do dilúvio?

12 Já antes dos dias de Abraão humanos haviam tentado governar e dominar outros. Por exemplo, sobre Ninrode, bisneto de Noé, a Bíblia diz: “Ele principiou a tornar-se poderoso na terra. Apresentou-se como poderoso caçador em oposição a Jeová.” (Gênesis 10:8, 9) Fica claro que Ninrode e outros que se autodenominaram governantes eram marionetes nas mãos de Satanás. Eles e seus apoiadores se tornaram parte do descendente de Satanás. — 1 João 5:19.

13. O que Jeová predisse por meio de Jacó?

13 Apesar dos esforços de Satanás de produzir governantes humanos, o propósito de Jeová segue em frente. Por meio de Jacó, neto de Abraão, Jeová revelou: “O cetro não se afastará de Judá, nem o bastão de comandante de entre os seus pés, até que venha Siló; e a ele pertencerá a obediência dos povos.” (Gênesis 49:10) A palavra “Siló” significa “Aquele de Quem É; Aquele a Quem Pertence”. Assim, essas palavras proféticas indicavam que viria uma pessoa que teria o direito legal de receber “o cetro”, ou a soberania, e “o bastão de comandante”, ou o domínio, sobre todos os “povos”, ou toda a humanidade. Quem seria essa pessoa?

“Até que venha Siló”

14. Que pacto Jeová fez com Davi?

14 Dos descendentes de Judá, o primeiro a ser escolhido por Jeová para ser rei sobre seu povo foi o pastor Davi, filho de Jessé.* (1 Samuel 16:1-13) Apesar de seus pecados e erros, Davi obteve o favor de Jeová por causa de sua lealdade à soberania Dele. Lançando mais luz sobre a profecia no Éden, Jeová fez um pacto com Davi, dizendo: “Hei de suscitar o teu descendente depois de ti, que sairá das tuas entranhas; e deveras estabelecerei firmemente o seu reino.” Isso envolveria mais do que o filho e sucessor de Davi, Salomão, pois o pacto declarava: “Hei de estabelecer firmemente o trono do seu reino por tempo indefinido.” Aquele pacto davídico deixou claro que, com o tempo, o prometido “descendente” do Reino viria da linhagem de Davi. — 2 Samuel 7:12, 13.

15. Por que se podia dizer que em certo sentido o reino de Judá representava o Reino de Deus?

15 Davi foi o primeiro de uma dinastia de reis ungidos com óleo santo pelo sumo sacerdote. Assim, esses reis podiam ser chamados de ungidos, ou messias. (1 Samuel 16:13; 2 Samuel 2:4; 5:3; 1 Reis 1:39) Dizia-se que eles se sentavam no trono de Jeová e governavam como reis para ele em Jerusalém. (2 Crônicas 9:8) Nesse sentido, o reino de Judá representava o Reino de Deus, uma expressão da soberania de Jeová.

16. Em que resultou o reinado dos reis de Judá?

16 Quando o rei e o povo se sujeitavam à soberania de Jeová, eles recebiam Sua proteção e bênção. O reinado de Salomão em especial foi uma época de paz e prosperidade sem comparação, dando-nos um vislumbre profético do domínio do Reino de Deus, quando a influência de Satanás for removida por completo e a soberania de Jeová vindicada. (1 Reis 4:20, 25) Infelizmente, a maioria dos reis da linhagem de Davi não viveu à altura dos requisitos de Jeová, e o povo caiu na idolatria e na imoralidade. Por fim, Jeová permitiu que o reino fosse destruído pelos babilônios em 607 AEC. Parecia que Satanás tinha sido bem-sucedido na sua tentativa de desacreditar a soberania de Jeová.

17. O que mostra que Jeová ainda tinha pleno controle da situação, apesar da queda do reino davídico?

17 A queda do reino de Israel, no norte, e mais tarde a queda do reino davídico forneceram provas, não de alguma deficiência ou falha da soberania de Jeová, mas das tristes conseqüências da influência de Satanás e de o homem se tornar independente de Deus. (Provérbios 16:25; Jeremias 10:23) Para mostrar que ainda estava exercendo sua soberania, Jeová declarou por meio do profeta Ezequiel: “Remove o turbante e retira a coroa. . . . Uma ruína, uma ruína, uma ruína a farei. Também, quanto a esta, certamente não virá a ser de ninguém, até que venha aquele que tem o direito legal, e a ele é que terei de dá-lo.” (Ezequiel 21:26, 27) Essas palavras indicam que o prometido “descendente”, aquele “que [tinha] o direito legal”, ainda estava para vir.

18. O que o anjo Gabriel anunciou a Maria?

18 Vejamos agora o que aconteceu por volta do ano 2 AEC. O anjo Gabriel foi enviado a Maria, uma virgem em Nazaré, cidade da Galiléia, no norte da Palestina. Ele declarou: “Eis que conceberás na tua madre e darás à luz um filho, e deves dar-lhe o nome de Jesus. Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; e Jeová Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai, e ele reinará sobre a casa de Jacó para sempre, e não haverá fim do seu reino.” — Lucas 1:31-33.

19. Com o nascimento de Jesus, havia se aproximado o tempo para que acontecimento emocionante?

19 Finalmente havia se aproximado o tempo para revelar “o segredo sagrado”. O membro principal do prometido “descendente” logo apareceria. (Gálatas 4:4; 1 Timóteo 3:16) Esse “descendente” foi machucado no calcanhar por Satanás. Mas ele, por sua vez, machucará a cabeça de Satanás, colocando ele e seus cúmplices fora de ação. Também deu testemunho de que, por meio do Reino de Deus, todo o dano causado por Satanás será desfeito, e a soberania de Jeová será vindicada. (Hebreus 2:14; 1 João 3:8) Como Jesus fará isso? Que exemplo ele deixou para seguirmos? As respostas estão no próximo artigo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.