Sociologia e Ética

Através dos estudos do Autoconhecimento aprofundamos na compreensão do Homem na sociedade atual, não apenas desde a individualidade da psicologia particular, mas também como ser social em relação ao mundo que nos rodeia.

Hoje em dia vivemos situações difíceis em âmbito social, mudanças incessantes, crises econômicas em toda parte, luta pela sobrevivência, competição diária, violência social, vida nas grandes cidades, novas tecnologias de comunicação, ritmo frenético da existência etc. que nos levam a situações novas e de mudança, muitas vezes extremas, às quais temos de nos adaptar e tolerar, mas sem perdermos um eixo psicológico que todos necessitamos como seres humanos.

Todos estes fatores da sociedade atual normalmente nos levam a uma identificação com o mundo exterior e, como consequência, a uma perda de identidade e a uma desorientação que, se não percebermos e buscarmos uma solução, nos levará a uma vida vazia e sem sentido, rotineira, onde sobressai o viver para trabalhar ou sobreviver, esquecendo-se do “viver”.

Por isso necessitamos resgatar o autêntico conhecimento, um ensinamento baseado nos princípios universais, em normas bioéticas, educacionais, regressar aos autênticos valores que existem há séculos para termos um guia, um eixo que nos oriente na busca de um desenvolvimento integral do ser humano, e nos ajude a ter comportamentos positivos que nos levem a melhorar nossa vida em relação aos demais e a si mesmo.

Se nós queremos nos desenvolver, evoluir na vida, ser diferentes, sair de dogmas caducos impostos e da falsa educação, mas sem cair na frieza do homem atual, preso a um mundo materialista e robótico das novas tecnologias cada vez mais absorventes, necessitamos desenvolver um eixo de conduta, um guia seguro que nos oriente na vida, regras de convivência, normas, valores para buscarmos melhorar os relacionamentos humanos, sociais, laborais, familiares… que nos permitam crescer internamente, alcançar um desenvolvimento positivo, uma satisfação pessoal e evolução humana na sociedade, e sem sermos vítimas da sociedade aprisionadora e tecnológica desta época.

Necessitamos aprender a viver em sociedade de forma prática, mas inteligente, desenvolvendo os potenciais do ser humano em âmbito laboral, profissional, intelectual, científico, em todos os campos… mas sob uma orientação em valores internos e de bom comportamento social, sem esquecermos os aspectos emocionais tão importantes para um desenvolvimento integral humano.

Ao longo da história muitas pessoas, pensadores, grandes homens conseguiram e nos mostraram o caminho a seguir; ensinaram-nos com o exemplo de vida que isso é possível de ser alcançado através da superação pessoal, do esforço, da vontade…

Sociologia e a Ética tratam de estudos como a inteligência emocional, a importância da linguagem que utilizamos nas relações com os demais como base do entendimento e respeito entre as pessoas. Também nos ensinam a cultivar a arte da Empatia, a importância do positivismo, o ânimo e a motivação, a assertividade, o saber colocar-nos no lugar dos demais, as chaves do magnetismo, o carisma e a cordialidade para melhorar as relações, o entendimento etc.

Também a Sociologia nos ajuda a identificar e conhecer a fonte dos desequilíbrios psicossociais que nos levaram a viver uma vida vazia, insatisfeita, repleta de dissabores, erros, invejas… onde somente importa a competição, ganhar, escalar, passar por cima dos demais a qualquer custo, sentindo-se melhor que os demais, importantes, únicos… Mas cheios de amarguras, ressentimentos, vazio e solidão…

Compreender que vivemos imersos nos condicionamentos, como um grande sistema que nos programa para sermos assim, nos confunde e condiciona desde que nascemos, desenhado para nos manter inconscientes, limitados e submetidos aos nossos próprios medos, educados para nos manter em nossas próprias limitações, onde estamos codificados e não nos permite ver nossa própria realidade. Um sistema baseado no medo, na competição e no desejo de possuir, no apego às coisas, no ter mais… e, portanto, no medo de perdê-las.

Precisamos compreender que a chave esta em nós mesmos, no próprio despertar do ser humano, assim como na união de todos para lutarmos pela nossa libertação de tantas amarras internas e externas e, com vontade, buscar superar nossos bloqueios para sairmos desse condicionamento que nos domina. Assim poderemos alcançar a liberdade e a felicidade tão almejada por todo ser humano, já que todos estes princípios estão incipientes e potencialmente em nosso interior, esperando serem totalmente desenvolvidos, de acordo com nosso trabalho e esforço pessoal.