Resolução de Problemas no Ensino da Matemática

0
112

 

RESUMO

No âmbito do ensino da matemática, cabe destacar que a resolução de problemas é uma atividade fundamental para a construção do conhecimento matemático, já se constituindo como um campo de pesquisa consolidado na Educação Matemática. No fim dos anos 1970, como nos revela Onuchic [2], a Resolução de Problemas ganhou espaço no mundo inteiro, culminando com a publicação do NCTM – National Council of Teachers of Mathematics –, em 1980, nos Estados Unidos, que apresentou recomendações para o ensino da Matemática no documento “Agenda para a Ação”, na qual a resolução de problemas é o foco do ensino da Matemática dos anos 80. E essas recomendações, cerca de vinte anos depois, são incorporadas aos PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais), nossa referência nacional em termos de parâmetros educacionais. Os PCN [1] consideram a resolução de problemas como eixo organizador do processo de ensino e aprendizagem de Matemática. Desde então, a resolução de problemas encontra-se no âmago das discussões acerca de metodologias para o ensino de matemática, fazendo parte de diversas pesquisas na literatura acadêmica e, também, nas recomendações para elaboração de livros didáticos. Se a resolução de problemas pode não estar presente em algumas salas de aula de matemática, pelo menos ela encontra-se na noosfera do professor de matemática. Essa metodologia de ensino, segundo Onuchic & Allevato [3], tem como objetivo “fazer com que os alunos possam pensar matematicamente, (…) e desenvolver a capacidade de resolver problemas, explorá-los, generalizá-los e até propor novos problemas a partir deles” [3, p.218]. Na forma de ensinar matemática através da resolução de problemas, o ensino e a aprendizagem de um conteúdo matemático ocorrem a partir de uma situação-problema contextualizada. O aluno tanto aprende matemática resolvendo problemas como aprende matemática para resolvê-los. No momento em que o professor adota essa metodologia, “os alunos podem aprender tanto sobre resolução de problemas, quanto aprendem matemática para resolver novos problemas, enquanto aprendem matemática através da resolução de problemas” [4, p.5]. Entretanto, não são poucos os professores de matemática que afirmam que os alunos não conseguem resolver problemas porque não conseguem ler e interpretar o contexto do problema. Nesse sentido, com o intuito de minimizar essa dificuldade de leitura e interpretação do problema, vislumbrou-se o uso de Histórias em Quadrinhos na formulação de problemas matemáticos. Foi desse modo que surgiu o interesse pelo tema “HQs no Ensino de Matemática”. 1 Bolsista de Iniciação à Docência do Subprojeto da Matemática do PIBID-UFF 2 Coordenador do Subprojeto da Matemática do PIBID-UFF 3 Supervisor do Subprojeto da Matemática do PIBID-UFF Segundo Vergueiro [5], em muitos países, os órgãos oficiais de educação reconhecem a importância do uso da história em quadrinhos no currículo escolar, desenvolvendo orientações específicas para isso. No âmbito nacional, e citando a LDB (Lei de Diretrizes e Bases) e os PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) como referências, o autor enumera diversos fatores favoráveis ao uso de quadrinhos como instrumento de ensino, a saber: “Os estudantes querem ler os quadrinhos”; “Existe um alto nível de informação nos quadrinhos”; “As possibilidades de comunicação são enriquecidas pela familiaridade com as histórias em quadrinhos”; “Os quadrinhos auxiliam no desenvolvimento do hábito de leitura”; “Os quadrinhos enriquecem o vocabulário dos estudantes”; “O caráter elíptico da linguagem quadrinhística obriga o leitor a pensar e imaginar”; “Os quadrinhos têm um caráter globalizador” (por serem veiculadas no mundo inteiro); “Os quadrinhos podem ser utilizados em qualquer nível escolar e com qualquer tema” [5, pp.21-25]. Dito isso, podemos perceber a importância de se utilizar quadrinhos no processo de alfabetização e no aprendizado da Língua Portuguesa. O uso deste recurso além de estimular os alunos no seu processo de aprendizagem, auxilia efetivamente na compreensão dos tópicos específicos ensinados nesta disciplina escolar. Portanto, temos motivos suficientes para acreditar que este mecanismo possa ser utilizado com a mesma eficácia no ensino da Matemática. As HQs (histórias em quadrinhos), além de minimizarem a distância entre a matemática escolar e o cotidiano do aluno, se apresentam como um recurso facilitador para a compreensão do contexto de uma questão matemática. Nesse sentido, acreditamos que o uso desta linguagem associada à metodologia de resolução de problemas pode ser um excelente recurso para a aprendizagem de conceitos e na própria solução de questões matemáticas.