- Anúncio -

A orientação sexual é um assunto que deve ser discutido, debatido e incluído no currículo escolar e na família, porém é um tema que infelizmente é deturpado por certos pais e também pelos jovens. Para muitos, a palavra ¨sexual ¨, significa somente o sexo, orgasmo, masturbação etc.

Hoje o assunto orientação sexual, está na mídia. Através da televisão, há esclarecimento tanto para pais, professores e filhos, porém poucos dão atenção a um assunto tão polêmico e difícil de dialogar. Os pais sempre acham que seus filhos são pequenos demais para falar sobre o assunto.

A sexualidade é a expressão do desejo, da escolha, do amor e da comunicação com o mundo e com os outros. Por isso, na adolescência a sexualidade se abre para a dimensão do sexo propriamente dito.

A conotação do sexo para adolescentes é a do belo, do afeto e do amor. Entretanto, suas preocupações maiores, que percebemos em ordem decrescente, seriam: temor do desempenho, ausência do prazer, gravidez não desejada e doenças sexualmente transmissíveis.

A escola e a família cumprem importantes papeis na educação na sexualidade dos jovens. As maiorias das instituições, erroneamente, pensa que é possível e desejável controlarem a sexualidade de adolescentes. Em questão de sexualidade e vida, somos eternos aprendizes.

- Anúncio -

 

1.1 SITUAÇÃO PROBLEMA

Diante da grande dúvida que envolve o assunto, que quase sempre são esclarecidos de forma errônea, faz-se necessário destacar a problemática, considerando que o professor do 8º ano do Ensino Fundamental, também tem a responsabilidade junto a escola, na tentativa de auxiliar e esclarecer o assunto sexo, que ainda é recheado de muitos tabus. Questiona-se:

– Por meio da TV o excesso ao apelo erótico, aliado a violência que a mesma vincula, pode levar a problemas futuros na sexualidade como indiferença ao estupro e a violência em geral, reforço da iniciação sexual precoce dos jovens que se encontram em fase de descoberta  de seu próprio corpo, desse modo uma boa orientação por parte da escola e da família, é indispensável para que o adolescente não seja tomado por sentimento como insegurança e timidez, que influenciarão a sua vida futura.

1.2 QUESTÕES NORTEADORAS

Sobre os problemas que envolvem a Educação e orientação sexual na escola questiona-se:

     Qual a importância da orientação sexual no ambiente escolar?

     Como abordar o tema de forma que venha contribuir e sensibilizar os jovens dos riscos no ato sexual?

     Qual a perspectiva dos alunos em relação ao tema orientação sexual?

     Como está capacitação de professores para esse tema orientação sexual?

     Como informar os pais a recebem orientação, e como trabalhar com seus filhos a orientação sexual?

1.3 JUSTIFICATIVA

Estudos mostram que cerca de 40% dos jovens tiveram a primeira relação sexual sem nunca ter falado sobre o tema com os pais. (REVISTA ISTO É Comportamento, 2009)

Diante desse contexto, acredita-se que sendo a sexualidade um componente imprescindível para a formação humana, principalmente no que concerne às identidades do individuo, sobretudo, as expressões positivas do desenvolvimento como contribuintes para o bem estar pessoal e social, focamos a escola como local propicio e adequado para o desenvolvimento de ações educativas, no que concerne a aplicação de projetos sistemáticos que abordem a presente temática de forma continuada, norteados por vários autores, pelos PCN’s e temas transversais.

Fazendo uma análise da temática, observou-se que a escola pode ter papel importante sobre o assunto, canalizando essa fase juvenil, para produzir conhecimento, respeito a si mesmo, ao outro e a coletividade. Trabalhando para promover a educação sexual, contribuindo para a prevenção de problemas graves como abuso sexual, a gravidez indesejada e a contração de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST’s).

Neste momento, deve-se lembrar de que a prática de educação e orientação sexual, é também de competência da família e de profissionais da saúde, sendo que este último, deverá promover a saúde visando facilitar a evolução de resultados positivos,

Compreende-se que a sexualidade humana é uma construção histórica, cultural e social, e que se transforma conforme mudam as relações sociais, entretanto [… em nossa sociedade, a sexualidade foi histórica e culturalmente limitada em suas possibilidades de vivencia, devido a tabus, mitos, preconceitos e relação de poder.] (REVISTA ISTO É Comportamento, 2009), o que fortalece que a sexualidade humana é parte integrante da responsabilidade de cada um.

1.4 OBJETIVOS

1.4.1 Geral:

Através da orientação escolar, sensibilizar o jovem da importância da descoberta de sua sexualidade, não apenas como fonte de prazer e desejos, mas seus sentimentos, necessidades, afetos e como lidar com eles, bem como o respeito às diferenças.

1.4.2 Específicos

          Investigar qual a importância da orientação sexual no ambiente escolar.

          Pesquisar como abordar o tema, de forma que venha contribuir e sensibilizar os jovens dos riscos no ato sexual.

          Identificar qual a perspectiva dos alunos em relação ao tema Orientação Sexual.

          Questionar porque não há capacitação de professores para esse tema Orientação Sexual.

          Pesquisar se os pais recebem orientação de como trabalhar seus filhos com relação a orientração sexual.

2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

O tema terá o embasamento de autores voltados ao tema Orientação Sexual na escola, consultas à internet, temas transversais de artigos, PCN’s, revistas.

3 METODOLOGIA

3.1 Tipo de estudo:

O estudo será feito nos conceitos bibliográficos de autores voltados à temática e de abordagens qualitativas e quantitativas.

3.2 Local:

Escola Estadual de Ensino Fundamental  “Dr. Ulysses Guimarães”

3.3 Sujeitos da pesquisa

Corpo técnico pedagógico, professores pais, alunos e comunidade.

3.4 Técnicas/ Instrumentos

Para a complementação da pesquisa, será aplicado um questionário aos estudantes, com questões objetivas e discursivas, bem como folders que conterão informações relevantes sobre a temática.

4. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES

ATIVIDADES SEMESTRE
5º SEMESTRE 6º SEMESTRE
Elaboração do projeto de pesquisa, orientações gerais sobre o TCC.
Estudos preliminares da bibliografia e elaboração das Considerações Iniciais e Capítulo I.
Aplicação do questionário e elaboração do Capítulo II.
Elaboração da Proposta de Intervenção e Considerações Finais.
Revisão Ortográfica
Entrega da versão final
Elaboração de slides
Entrega e defesa do  TCC

Autor: Eliana Alves   ano 2011

REFERÊNCIAS

ABERASTURE, Arminda/ Knobe. Adolescência normal – Um enfoque psicanalista/ Trad. De Suzana Maria de Garagoray Ballve. Porto Alegre, Artes Médicas, 1981.92, p. 22 cm.

BASSALO, Lucélia de Moraes Braga. Educação sexual e escola. Resgatando evidencias históricas dessa relação. Vol 1, nº 1. (texto apresentado no II Congresso Luso Brasileiro de História da Educação). P. 36-42. Fev. 1989.

CATONÉ, Jean – Pliapple – A sexualidade ontem e hoje. Ed. Cortez São Paulo. Vol.4

CHAUÍ, Marilena. Repressão sexual, essa nossa (desconhecida), 8ª edição. São Paulo: Brasiliense, 1984.

COSTA, Moacir. Sexualidade na adolescência: dilemas e crescimento. 5ª edição Rio Grande do Sul: LEPM Editora. 1986.

EGYPTO, Antonio Carlos. Orientação sexual na escola (Um projeto apaixonante) Editora Cortez, 2003. São Paulo.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade do saber. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

GANDRA, Fernanda Rodrigues/ Cristina do Vale G. Pires/ Regina Célia Villaça Lima. Volume. 3. O dia a dia do professor. Adolescência, afetividade, sexualidade e drogas.

GUIMARÃES, Isaura. Educação sexual: mitos e realidade. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1995.

ITOZ, Sonia de. Adolescia e sexualidade: para eles e para nós. São Paulo: Paulinas, 2000.

LOBO, Elizabeth de Souza. A classe operária tem dois sexos. São Paulo: Brasiliense, 1991.

LOURO, Guacira Lopes (org). O corpo educado: Pedagogia da sexualidade. Petrópolis: Vozes, 1997.

LOPES, Gerson e MAIA, Mônica. Conversando com o adolescente sobre sexo. Quem vai responder? Belo Horizonte: autentica / FUMEC, 2001.

LOURDES de Maria. A adolescência e PsicologiaConcepções e reflexões criticas/ Coordenação, Jefferey Contini: Organização Silva, HellenaKoller. Rio de Jairo, Conselho Federal de Psiclogia, 2002.

MARTIN, Cecília Cardinal. Educação sexual na escola. Pediatria, São Paulo, v. 3, nº 22, pg. 44-48, abril. 2000.

 

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Parâmetros Curriculares Nacionais: Orientação Sexual. Brasília, 1997.

ODAIR, Napoleão. Reprodução humana: abordagem simples e correta. São Paulo: IDEP, 1984.

PCN. Orientação sexual. V. 10. TEMAS TRANSVERSAIS. Parâmetros Curriculares Nacionais: Pluralidade Cultural: Orientação sexual/ Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. 3 ed – Brasília: a Secretaria, 2001.

REVISTA DE ESTUDO E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO. Fundação Carlos Chagas. São Paulo: Cortez – trimestral. V. 1, nº 93, p. 3-38. Mai 1985.

SILVA, Ricardo de Castro. Orientação sexual: Possibilidades de mudanças na escola/ Campinas, SP. Mercado de Letras, 2002 – Coleção da sexualidade.

SOUZA, Hália Pauliv de. Orientação sexual: Conscientização, necessidade e realidade. Curitiba: Juruá, 1999.

 

SUPLICY, Marta. Papai, Mamãe e Eu. 1998. p. 17.

SUPLICY, Marta. Orientação sexual das escolas de São Paulo. AMA – Educando, 1995.

SUPLICY, Marta (org). Sexo se aprende na escola. São Paulo: Olho d’ água, 1999. GTPOS.

ULBRA. Psicologia e desenvolvimento da Aprendizagem.

TEIXEIRA, Elizabeth. As três metodologias acadêmica da ciência e da pesquisa, 3ª ed: Belém. Grapel, 2001.

TIBA, Içami. Adolescia: O despertar do sexo. Um guia para entender o desenvolvimento nas novas gerações. São Paulo: Gente, 1994.

- Anúncio -