ONG’s de Direitos Humanos no Brasil

0
23

 

Basta dar uma lida no nosso “Sobre Nós” para perceber que o Politiquê? é um projeto social que anda de mãos dadas com os Direitos Humanos. Afinal, nossa missão

ç

,é buscar, através da educação política suprapartidária, um futuro no qual os jovens de hoje serão cidadãos ativos e, só assim, com o trabalho conjunto de pessoas politicamente conscientes e socialmente engajadas, é que poderemos ter uma sociedade onde a dignidade humana seja respeitada. Mas é claro que, nesse guarda-chuva enorme dos Direitos Humanos, outras questões precisam ser trabalhadas. Por isso, trouxemos uma lista especial com 5 organizações não governamentais brasileiras que se dedicam a causas sociais para você conhecer e, quem sabe, se integrar!

Olodum, BA (Arte e Cultura; Discriminação racial)

Você sabia que o Olodum, além de banda e bloco de carnaval, é também uma ONG? Agora já sabe! A ideia deles é trabalhar a tradição e a memória afrodescendente, o orgulho negro, a inclusão e a diversidade cultural a partir da música e da cultura africanas. Para isso, contam com a Banda, o Bloco, a Escola, o Bando de Teatro e a Casa Olodum, além de uma gama variadíssima de projetos. Tem um, por exemplo, que é a cara do Politiquê?: o Curso de Empreendedorismo Cultural, que, segundo informações coletadas no site, “instrumenta os jovens para elaborar, promover e captar recursos para projetos culturais”. Fantástico!

alunos-da-escola-olodum

Centro de Promoção da Saúde, RJ (Saúde)

Trabalhando junto a comunidades populares, o CEDAPS apresenta a proposta de promover a saúde, disseminando práticas e tecnologias sociais saudáveis através do fortalecimento dos próprios grupos com os quais trabalha. Os seus projetos perpassam várias temáticas como a mobilização frente à tuberculose nas periferias, iniciativas de inclusão das pessoas que convivem com HIV/AIDS, projetos de reciclagem, entre tantos outros. Um deles a gente achou especialmente interessante: a Rede de Comunidades Saudáveis, que capacita os moradores da comunidade para que possam “melhorar seu ambiente físico e a vida social, cultural e econômica, assumindo um papel ativo na solução dos principais problemas”. Projetos assim, que trabalham a partir da autonomia e do empreendedorismo social do próprio público-alvo, tem tudo a ver com o Politiquê?!

cedaps

Operação Amazônia Ativa, MT (Questão indígena)

Criada em 1969, OPAN é a primeira organização indigenista a ser fundada no Brasil. Segundo a página, a instituição “atua pelo fortalecimento do protagonismo indígena no cenário regional, valorizando sua cultura, seus modos de organização social através da qualificação das práticas de gestão de seus territórios e recursos naturais, com autonomia e de forma sustentável”. Além de trabalhar com demarcação de territórios, a ONG desenvolve programas de saúde (controle de epidemias, imunização etc), de educação e de alternativas econômicas sustentáveis; inclusive, graças ao projeto de manejo sustentável do peixe pirarucu, a OPAN recebeu o Prêmio Nacional da Biodiversidade no ano passado, 2015. Legal né?

opan

Centro de Valorização da Criança, PA (Crianças e Adolescentes)

O CVC é uma instituição filantrópica que se volta para a garantia dos direitos de crianças e adolescentes em situação de risco pessoal ou social, sendo a primeira entidade a fazer esse tipo de trabalho no estado do Pará. Além de sediar um abrigo com capacidade de acolhimento de até 32 crianças e adolescentes, a instituição desenvolve projetos que vão desde a arrecadação de brinquedos à disponibilização de cursos profissionalizantes, além de iniciativas na área de arte e cultura, como grupos de capoeira e hip hop. Bom saber que há tanta gente empenhada na proteção e promoção da cidadania dos nossos pequenos!

cvc

Themis, RS (Mulheres; Acesso à justiça)

Diante dos altos índices de casos de violência contra a mulher e cientes, ainda, das dificuldades das vítimas no acesso à justiça, um grupo de advogadas e cientistas sociais criou, em 1993, o grupo THEMIS – Gênero e Justiça, com a missão de ampliar as condições de acesso ao sistema jurisdicional. Ao longo do seu funcionamento, porém, as atividades da organização foram se expandindo com a organização de seminários, cursos, workshops e publicações que levam o ponto de vista das mulheres sobre o Direito, propondo novas abordagens para o seu uso. Das iniciativas promovidas pela ONG, destacamos o projeto das Promotoras Legais Populares, que capacita moradoras de periferias para que se tornem verdadeiras lideranças comunitárias femininas com noções básicas de Direito, direitos humanos das mulheres, organização do Estado e do Poder Judiciário. O programa, chamado PLP, foi iniciado em Porto Alegre, sede da Themis, mas já tem presença em diversos estados da federação, incluindo Pernambuco.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.