More

    Nova Ortografia

     

    A nova ortografia já está em vigor oficialmente desde 2009 e vem sendo muito cobrada em provas de concursos pois muitos candidatos ainda encontram muitas dúvidas sobre as novas regras da língua portuguesa.

    Qual a finalidade da nova ortografia?

    A Nova Reforma Ortográfica da Língua portuguesa, como todas as outras que já aconteceram, tem como objetivo uniformizar a grafia, fazendo a maior aproximação possível, respeitando as diferenças já interiorizadas e permitindo que a modalidade escrita da língua seja compreensível a todos os falantes dessa língua.

    Este acordo é o resultado do estudo das diferenças entre os acordos de 1943, no Brasil, e de 1945, em Portugal. Entrou em vigor no Brasil em 2009, com um período de adaptação até 2012.

     

    Qual o último acordo ortográfico da língua portuguesa?

    O último acordo ortográfico entre países membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa foi assinado em 16 de dezembro de 1990. Este acordo estabeleceu uma grafia única para a Língua Portuguesa que, até então, era a única língua que apresentava duas grafias oficiais: a portuguesa e a brasileira.

     

    O que mudou com a nova ortografia para os brasileiros?

    O novo acordo traz algumas mudanças que exigem que aprendamos novas regras; que sejam adaptados documentos e publicações. Dúvidas em relação a forma como escrevíamos antes e como escreveremos agora também surgirão, mas teremos uma maior facilidade já que algumas regras foram simplificadas.

     

    VAMOS AS REGRAS

    REGRAS GERAIS:

    Na regra geral não houve alterações, as regras continuam as mesmas com pequenas observações.

    – Para uma melhor assimilação das novas regras de acentuação, é necessário saber que, em língua portuguesa, uma palavra é classificada de acordo com o número de sílabas em: monossílaba (uma só sílaba), dissílaba (duas sílabas), trissílaba (três sílabas), polissílaba (quatro ou mais sílabas). Também pode ser classificada de acordo com a posição da sílaba tônica (silaba pronunciada com maior intensidade) em: oxítona (sílaba tônica é a última sílaba da palavra); paroxítona (a sílaba tônica é a penúltima sílaba da palavra); e proparoxítona (sílaba tônica é a antepenúltima sílaba da palavra.

    – Saiba também que: ditongo é o encontro de duas vogais na mesma sílaba.

    – Ditongo fechado é pronunciado com a boca mais fechada (cadeira, bois) e ditongo aberto é pronunciado com a boca mais aberta (papéis, herói, colmeia, ideia).

    – Hiato é o encontro de dois sons vocálicos, cada um em uma sílaba (ca-o-lho, Ra-ul, sa-í-da)

    – Preste atenção : Acentue as paroxítonas sem memorizar! Aplique invertidamente  a regra das oxítonas!

    Veja a regra :  Oxítona – Terminada em –n não tem acento; então, Paroxítona terminada em –n precisa ter: hífen, pólen, éden, próton, nêutron, íon.

    Oxítona terminada em –a(s) é acentuada; então, paroxítona terminada em a(s) não é acentuada.

    Observação: O critério da inversão (oxítona             paroxítona ) só não é válido para as paroxítonas terminadas em –am (falam) e para as terminadas em ditongo (+ s) (farmácia).

     

    Palavras monossílabas tônicas:

    Dependem da intensidade com que são pronunciadas, átonas (sílaba pronunciada mais fraca) ou tônicas (sílaba pronunciada mais forte). Não houve nenhuma alteração na acentuação gráfica das monossílabas tônicas.

    Regra Geral: Acentuam-se as palavras monossílabas tônicas terminadas em: a (s), e (s), o (s).

    Ex.: chá, fé, rés, dó, gás, lê-lo, nós, pô-lo.

    Obs.: As monossílabas átonas nunca são acentuadas.

    Ex.: vi, bis, li-os, tu, cru, nus.

    Observe: – palavras monossílabas terminadas em i (s) e u (s) não recebem acento.

    Ex.: si, quis, bis, cru, pus.

    – Os ditongos fechados ei (s), eu (s) e oi (s), em monossílabos não são acentuados.

    Ex.: sei, reis, deu, meus, foi, bois.

     

    Palavras oxítonas:

    Não houve nenhuma alteração na acentuação das palavras oxítonas.

    Regra Geral: Acentuam-se as palavras oxítonas terminadas em: a (s), e (s), o (s), em/ens.

    Ex.:  Sabará, ananás, Guaporé, convés, bisavô, retrós, Belém, armazéns, parabéns, voltará, busca-pés, robô, manténs.

    Observe:  oxítonas terminadas em i (s) e u (s) não recebem acento:

    Ex.: tupi, lambari, abacaxis, Pacaembu, urubus.

     

    Palavras paroxítonas:

    Sofreu algumas alterações que aparecerão nas regras complementares.

    Regra Geral: Acentuam-se as palavras paroxítonas terminadas em: l, n, r, ã (s), i (s), u (s), x, ão (s), um/uns, ditongos orais (+ s).

    Ex.: Louvável, lavável, câncer, ônix, vácuo, pôneis, águas, bíceps, falência, cônsul, júri, tênis, hífen, tênis, nêutron, húmus, bônus, repórter, Vítor, tórax, fórceps, sótão, bênçãos, órfã, ímãs, álbum, fóruns, farmácia, frágeis, área, tréguas, comício, cáries.

    Observe:  paroxítonas terminadas em –n antecedido de e (hífen, pólen, éden) não recebem acento no plural (hifens, polens, edens), mas paroxítonas terminada em –n antecedido de o (próton, nêutron, íon), recebem acento no plural (prótons, nêutrons, íons).

     

    Palavras proparoxítonas:

    Não houve alteração na regra das palavras proparoxítonas.

    Regra Geral:  acentuam-se todas as palavras proparoxítonas independentemente de suas terminações.

    Ex.: Transatlântico, técnico, quadrúpede, câmara, tílburi, interim, relêssemos, lógico, autêntico, cibernético, desânimo, pirâmide.

     

    AS REGRAS DA NOVA ORTOGRAFIA

    Abaixo colocamos as novas regras, seguidas de um exemplo (como era antes) e um exemplo (como ficou) onde houve alterações. A reforma se deu na acentuação, nas palavras paroxítonas, no uso do hífen (-), no uso do trema (¨) e no alfabeto.

     

    ACENTUAÇÃO GRÁFICA 

     

    REGRAS COMPLEMENTARES:

    Nas regras complementares estão as modificações ocorridas em algumas palavras da Língua Portuguesa:

     

    Acentuação dos ditongos abertos éi, ói, éu

    Dependendo da palavra em que ocorrem, podem ser ou não acentuados.

    Regra complementar: Os ditongos abertos éi, ói e éu. São acentuados em monossílabos e em oxítonas.

    Não são acentuados em paroxítonas.

    Ex.: monossílabos – Ex.: méis, réis, dói, róis, céu, véus.  (Não houve alteração)

    Oxítonas – Ex.: anéis, cordéis, corrói, lençóis, chapéus, escarcéu. (Não houve alteração)

    Paroxítonas – Ex.: (antes) idéia, platéia, heróico, jibóia.

    (como ficou) ideia, plateia, heroico, jiboia.

    Observe:  O Acordo Ortográfico de 1990 eliminou o acento dos ditongos abertos ei e oi somente das palavras paroxítonas.

     

    Verbos ter e vir

    Regra complementar: acentua-se o e das formas verbais têm e vêm, indicativas de plural.

    Ex.:  Ele tem (singular) / Eles têm (plural)

    Ele vem (singular) / Eles vêm (plural)

     

    Observe: Nos derivados de ter (manter, conter,

    deter, etc.) e de vir (intervir, convir, provir etc.):

    – A terceira (3ª) pessoa do singular passa a receber assunto agudo- pela regra das oxítonas terminadas em em.

    – A terceira (3ª) pessoa do plural preserva o acento circunflexo das formas originais têm e vêm.

    Ex.: Ele mantém – Eles mantêm

    Ele contém – Eles contêm

    Ele detém – Eles detêm

    Ele intervém – Eles intervêm

    Ele convém – Eles convêm

    Ele provém – Eles provêm

     

    Regra do hiato:

    Foi abolida pelo novo acordo ortográfico.

    Antes: Todas as palavras terminadas em OO (s)  e as formas verbais terminadas em EEM recebiam acento circunflexo: vôo, vôos, enjôo, enjôos, abençôo, perdôo; crêem, dêem, lêem, vêem, relêem, prevêem.

    como ficou: Sem acento: voo, voos, enjoo, enjoos, abençoo, perdoo; creem, deem, leem, veem, releem, preveem.

    Escreva agora :

    Ex.: Eu te perdoo, disse ele.

    Não muda:

    I e u na segunda vogal do hiato

     

    Regra complementar:  nos hiatos, o i e o u são acentuados desde que:

    . Representem a 2ª vogal do hiato.

    . Apareçam sozinhos (ou seguidos de s) na  sílaba tônica.

    . Não estejam seguidos de nh.

    Ex.: i e u sozinhas: raízes, Itajaí, miúdos, Tambaú

    I e u com s: país, egoísta, balaústre, jaús

    I e u seguidos de nh: sainha, campainha, rainha, ladainha.

     

    Observe:

    Se o i e o u aparecem depois do ditongo:

    – Em palavras paroxítonas, não são acentuadas.

    Ex.: (antes) boiúna , feiúra, baiúca, feiúra

    (como ficou) boiuna, feiura, baiuca, feiume.

     

    Nas palavras em que i ou o u se repetem no hiato, essas vogais não recebem acento.

    Ex.: xiita, sucuuba (árvore).

    Escreva : O miliciano xiita Abu Azrael, cujo nome significa “Pai do Anjo da Morte”, se converteu para milhares de iraquianos no herói sem medo que simboliza o combate ao grupo Estado Islâmico .

     

    Acento diferencial 

     

    Esse acento foi eliminado de quase todos os vocábulos e, atualmente, é empregado para diferencia pouquíssimas palavras.

    Não se usa mais o acento que diferenciava os pares pára/para, péla (s) /pela (s), pêlo (s) /pelo (s), pólo (s) /polo (s) e pêra/pera.

    Ex.: (antes) – Ele pára o carro.

    (como ficou) – Ele para o carro.

    (antes) – Ele foi ao pólo Norte.

    (como ficou ) – Ele foi ao polo Norte.

    (antes) – Comi uma pêra.

    (como ficou) – Comi uma pera.

     

    Acento diferencial obrigatório: recebem acento diferencial obrigatório somente as palavras pôr (verbo) e pôde (passado do verbo poder).

    Escreva sempre :

    Ex.:  Ela não pretende pôr o dinheiro na poupança. (forma verbal – “colocar”)

    Hoje, passamos por lugares bonitos. (preposição)

     

    Acento diferencial opcional: o acento diferencial é opcional somente nas palavras dêmos/demos (1ª pessoa do verbo dar do presente do subjuntivo) e fôrma/forma (=recipiente/molde).

    Podemos escrever :

    Ex.: Você exige que nós dêmos apoio a você.

    (ou)     Você exige que nós demos apoio a você.

     

    O cozinheiro tirou o bolo da fôrma

    (ou)     O cozinheiro tirou o bolo da forma.

     

    Emprego do trema (¨)

    O trema desaparece em todas as palavras.

    Ex.: (antes) – frequente, linguiça, sequestro.

    (como ficou) – frequente, linguiça, sequestro.

    Escrevemos agora :

    Ex.: Estou tranquilo para fazer a prova.

     

    Emprego do hífen (-):

    O hífen, pelo novo Acordo ortográfico, foi eliminado em alguns casos:

    1-Se o segundo elemento começar com s ou r, devendo as consoantes serem duplicadas:

    Ex.: (antes) –  anti-semita, anti-religioso,

    contra-regra.

    (como ficou) –  antissemita, antirreligioso, contrarregra.

    Escreva agora: CARTUNISTA FOI DEMITIDO DE

    CHARLIE POR PIADA ‘ANTISSEMITA’

     

    Observe:  em prefixos terminados por ‘r’, permanece o hífen se a palavra seguinte for iniciada pela mesma letra: hiper-realista, hiper-requintado, hiper-requisitado, inter-racial, inter-regional, inter-relação, super-racional, super-realista, super-resistente etc.

     

    2-Quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa com uma vogal diferente:

    Ex.: (antes) – extra-escolar, aero-espacial,

    auto- estrada.

    (como ficou) – extraescolar, aeroespacial, autoestrada.

     

    Observe 1:  em prefixos terminados por ‘r’, permanece o hífen se a palavra seguinte for iniciada pela mesma letra: hiper-realista, hiper-requintado, hiper-requisitado, inter-racial, inter-regional, inter-relação, super-racional, super-realista, super-resistente etc.

    Observe 2:  – esta nova regra vai uniformizar algumas exceções já existentes antes: antiaéreo, antiamericano, socioeconômico etc.

    -Esta regra não se encaixa quando a palavra

    seguinte iniciar por ‘h’: anti-herói, anti-

    -higiênico, extra-humano, semi-herbáceo etc.

    Loader Loading...
    EAD Logo Taking too long?

    Reload Reload document
    | Open Open in new tab

    BAIXE O TRABALHO AQUI [24.90 KB]

     

    Latest articles

    Diego Maradona

    Função

    Custos – Contabilidade

    Trabalhos Relacionados