DESNUTRIÇÃO

0
18

 

América Latina tem 6 milhões de crianças desnutridas

 

A cada ano, cerca de 600 mil crianças com menos de 5 anos morrem na América Latina por causas evitáveis.

Há 6 milhões de desnutridos na mesma faixa etária.

Dos 237 milhões de menores de 16 anos da região, 60% são pobres.

“A pobreza aumenta o número de crianças vivendo na rua, que, por sua vez, faz crescer a violência contra menores, a prostituição e o trabalho infantil”, afirmou Marta Mauras, diretora regional do Unicef para a América Latina e Caribe.

RELATÓRIO

 

Desde 1990 para reduzir a mortalidade infantil e materna, aumentar o número de crianças com primário completo e combater a prostituição, o trabalho e a violência contra menores.

Crianças pobres são 84 milhões na AL

A pobreza entre as crianças na América Latina, incluindo o Brasil, aumentou drasticamente na última década, de acordo com relatório divulgado ontem pelo Unicef ( Fundo das Nações Unidas para a Infância ).

Segundo o Unicef, mais de 84 milhões de crianças e adolescentes na América Latina vivem atualmente em condições de pobreza, enquanto aumenta a diferença entre os riscos e os riscos e os pobres na região.

Relatórios recentes e detalhados sobre a pobreza revelam que os programas de ajuste econômico contribuíram de modo decisivo para um declínio nos padrões de vida nos setores mais vulneráveis da sociedade, especialmente crianças e adolescentes.

A distribuição de renda na região tornou-se mais desigual a partir de 1970, de acordo com o relatório, divulgado em preparação da 3a. Conferência Hemisférica sobre Políticas Infantil e Social, que começa na próxima quinta-feira, em Santiago ( Chile ).

O relatório do Unicef nota que as crianças não são as únicas vítimas da crescente pobreza da América Latina, já que 50% da população da região vive abaixo do nível de pobreza.

O relatório ressalta que as crianças também enfrentam outros problemas sociais, incluindo trabalho infantil, abuso, violência e consumo de drogas.

Calcula-se que 120 mil crianças, muitas entre 6 e 7 anos, são empregadas como domésticas, sem receber pagamento.

 

Além disso, as crianças têm sofrido com a diminuição dos programas governamentais na maioria dos países. “Os programas sociais básicos, aos quais toda a criança tem direito, foram seriamente afetados na última década de acordo com o estudo.

O relatório aponta ainda que a pobreza infantil tornou-se mais um fenômeno urbano. Durante a década de 80, o número de pobres na região aumentou e até 60 milhões de pessoas, concentradas nas cidades.

O índice de mortalidade infantil permanece em mais de 50 mortes por mil nascidos vivos no Brasil. Em Cuba, são 10 mil.

 

Pesquisa realizada no

Memorial da América Latina e enciclopédia Sibrac ( Sistema Brasileiro de Consultas ).

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.