More

    Arcaísmo

    Arcaísmo, palavra de origem grega de uso lexical ou gramatical de uma palavra ou expressão antiga, que não se usa mais.
    Os arcaísmos são o oposto do neologismo e estão na contramão do movimento criador de palavras, já que nossa língua, por ser objeto de constante transformação, carece de uma renovação lexical. Esse movimento é natural e não tem como objetivo descaracterizar o idioma; seu objetivo é adequá-lo a uma nova realidade linguística.

    *LEXICO: É o conjunto de palavras que as pessoas de uma determinada língua têm à sua disposição para expressar-se, oralmente ou por escrito.
    *GRAMÁTICA: Conjunto de regras que regem o funcionamento de uma língua, podendo ser usada tanto na norma culta, quanto nas variantes de padrão.

    Os arcaísmos podem ser classificados como linguísticos ou literários.

    ARCAÍSMO LINGUÍSTICO: é encontrado na fala que contém traços fonéticos, morfológicos, sintáticos e léxicos que são conservadores e antigos na língua.

    Arcaísmos linguísticos fonéticos:
    Em princípio, os arcaísmos fonéticos encontram-se em variedades conservadoras do português. Por exemplo, os dialetos portugueses setentrionais mantêm, no vocalismo e no consonantismo, características que podem ser vistas como arcaicas: o ditongo [ow] em ouro ouroubar1; e o [tʃ]em chamar ou  cacho. No entanto, mesmo no dialeto que é considerado padrão, baseado tradicionalmente no falar das classes cultas de Coimbra e Lisboa, há características que podem ser tidas como arcaicas: o ditongo representado por em maneira, palavra que noutros dialetos apresenta uma solução inovadora, a monotongação de [ej] em [e] —man[e]ra, como se diz em quase todo o Centro-Sul português. Mesmo assim, é de assinalar que tal ditongo não é pronunciado hoje no português-padrão como [ej] mas sim como [ɐj], cujos elementos têm maior contraste entre si (dissimilação). Por outras palavras, apesar de continuar a existir um ditongo como na Idade Média, a sua articulação é diferente, porque o elemento principal do ditongo, [e], passou a [ɐ] para o diferenciar melhor de [j].

    Arcaísmos linguísticos morfológicos:
    Arcaísmos morfológicos são, por exemplo, substantivos, adjetivos, verbos, etc., que caíram em desuso, isto é, existem na língua, mas não se usam hoje em dia. Tomemos como exemplo o antigo artigo definido “lo, la, los, las” ou “el” (em el-rei), o substantivo “sanha” (ira), o adjectivo “leda” (alegre) ou os verbos “poer” (pôr) ou “soer” (costumar).

    Arcaísmos linguísticos sintáticos:
    São construções que se usaram, mas que foram abandonadas atualmente.
    Exemplos:
    a) quandouma palavra de sentido negativo precedia o verbo, não se omitia o advérbio de negação: “Nenhum não veio”;

    b) “ambos os dois” hoje condenado, tido como pleonasmo vicioso, já foi no passado uma expressão correta.

    Arcaísmos linguísticos léxicos: palavras em desuso.
    Alcaide: prefeito
    Ceroula: cueca
    Nosocômio: hospital
    Outrossim: também
    Hum: um
    Soer: acostumar
    Cincoenta: cinquenta

    Os arcaísmos são encontrados no Novo Dicionário da Língua Portuguesa, de Aurélio Buarque Ferreira de Holanda, mas isso não implica que ele possa ser usado. Há arcaísmos que têm apenas usos regionais, como:

    Apalermado: bobo, idiota
    Copiar: alpendre, vestíbulo
    Magote: grande quantidade

    ARCAÍSMO LITERÁRIO: é encontrado nas obras literárias, para tornar o texto mais solene e mais culto. São observados nas obras literárias e são empregados, quando do uso proposital, para conferir rebuscamento e imponência, ou até mesmo como um recurso estilístico para imprimir ironia. Vale ressaltar que os arcaísmos presentes em textos antigos não podem ser considerados como propositais por se tratarem de expressões em corrente uso na época em que foram escritos.

    1º Ex. Poema
    Língua portuguesa

    Última flor do Lácio, inculta e bela,
    És, a um tempo, esplendor e sepultura:
    Ouronativo, que na ganga impura
    A bruta mina entre os cascalhos vela…

    Amo-te assim, desconhecida e obscura,
    Tuba de alto clangor, lira singela,
    Que tens o trom e o silvo da procela
    E o arrolo da saudade e da ternura!

    Amo o teu viço agreste e o teu aroma
    De virgens selvas e de oceano largo!
    Amo-te, ó rude e doloroso idioma,

    Em que da voz materna ouvi: “meu filho!”
    E em que Camões chorou, no exílio amargo,
    O gênio sem ventura e o amor sem brilho!
    Olavo Bilac.
    2º Ex. Música
    O Drama de Angélica
    Tangos & Tragédias
    Compositor: Alvarenga & Ranchinho

    Ouve meu cântico
    Quase sem ritmo
    Que a voz de um tísico
    Magro esquelético

    Poesia épica,
    Em forma esdrúxula
    Feita sem métrica,
    Com rima rápida

    Amei Angélica,
    Mulher anêmica
    De cores pálidas
    E gestos tímidos

    Era maligna
    E tinha ímpetos
    De fazer cócegas
    No meu esôfago

    Em noite frígida,
    Fomos ao Lírico
    Ouvir o músico
    Pianista célebre

    Soprava o zéfiro,
    Ventinho úmido
    Então Angélica
    Ficou asmática

    Fomos ao médico
    De muita clínica
    Com muita prática
    E preço módico

    Depois do inquérito,
    Descobre o clínico
    O mal atávico,
    Mal sifilítico

    Mandou-me o célere,
    Comprar noz vômica
    E ácido cítrico
    Para o seu fígado

    O farmacêutico,
    Mocinho estúpido,
    Errou na fórmula,
    Fez despropósito

    Nãotendo escrúpulo,
    Deu-me sem rótulo
    Ácido fênico
    E ácido prússico

    Corri mui lépido,
    Mais de um quilômetro
    Num bonde elétrico
    De força múltipla

    O dia cálido
    Deixou-me tépido
    Achei Angélica
    Já toda trêmula

    A terapêutica
    Dose alopática,
    Lhe dei uma xícara
    De ferro ágate

    Tomou no fôlego,
    Triste e bucólica,
    Esta estrambólica
    Droga fatídica

    Caiu no esôfago
    Deixou-a lívida,
    Dando-lhe cólica
    E morte trágica

    O pai de Angélica
    Chefe do tráfego,
    Homem carnívoro,
    Ficou perplexo

    Por ser estrábico
    Usava óculos:
    Um vidro côncavo,
    Outro convexo

    Morreu Angélica
    De um modo lúgubre
    Moléstia crônica
    Levou-a ao túmulo

    Foi feita a autópsia
    Todos os médicos
    Foram unânimes
    No diagnóstico

    Fiz-lhe um sarcófago,
    Assaz artístico
    Todo de mármore,
    Da cor do ébano

    E sobre o túmulo
    Uma estatística,
    Coisa metódica
    Como Os Lusíadas

    E numa lápide,
    Paralelepípedo,
    Pus esse dístico
    Terno e simbólico:

    “Cá jaz Angélica,
    moça hiperbólica
    beleza helênica,
    morreu de cólica!”

    Palavras que hoje são usuais para nós, futuramente se tornarão arcaísmos, e os que hoje existem, antigamente foram palavras usuais. Isso ocorre naturalmente devido ao processo de evolução da língua, por ser modificada pelos próprios falantes ao longo do tempo.

    Loader Loading...
    EAD Logo Taking too long?

    Reload Reload document
    | Open Open in new tab

    BAIXE O TRABALHO AQUI [16.10 KB]

    Latest articles

    Diego Maradona

    Função

    Custos – Contabilidade

    Previous articleO Carnaval Carnaval de Pernambuco
    Next articleFuturismo

    Trabalhos Relacionados