- Anúncio -

 

Este estudo tem como finalidade abordar a educação no período Renascentista. Período que foi compreendido entre os séculos XV e XVII e desencadeou um movimento conhecido como humanismo, mais voltado para a imagem e cultura do homem.
A tendência deste período é desvesti-lo da parcialidade religiosa e preocupar-se mais com os valores humanos. O olhar do homem desvia-se das coisas do alto, da igreja ocupando-se mais com as coisas terrenas, se tornam mais curiosas com redobrado interesse pelo corpo, a busca de prazeres e alegrias do mundo, o luxo na corte, amplia-se conhecimentos de anatomia humana, que outrora era proibido pela igreja.
Portanto, torna-se intenso na renascença o individualismo e poder da razão para estabelecer seus próprios caminhos. Percebe-se a ascensão da burguesia e o enriquecimento da mesma, os burgueses fazem aliança com os reis, pois desejam fortalecer o poder contra os duques e barões.
Nasce então o interesse pela educação no Renascimento, educar segundo a nova concepção do homem, torna-se uma questão de moda e exigência. Onde os homens ricos e da alta nobreza continuam a ser educados por preceptores em seus próprios castelos. A pequena nobreza e a burguesia encaminham seus filhos para a escola com a esperança de melhor prepará-los para liderança e a administração da política e dos negócios.
Na educação até então na Idade Média não havia separação de classes, as crianças e os adultos de diversas idades eram misturados em uma mesma classe, só a partir do renascimento, cuidados começam a ser tomados, mais nítidos apenas no século XVII. Com o fim de proteger as crianças de “más influências” devido a uma hierarquia diferente, são submetidos a uma severa disciplina e castigos corporais. O objetivo da escola não era só o ensino, mas também, a formação moral. Este método de ensino foi duramente criticado pelos humanistas.
Permanece então uma educação leiga, porque fica por conta dos religiosos, ou seja, das ordens religiosas a implantação da maioria dos colégios. O que fez com que leigos criassem escolas que melhor se adaptassem ao espírito do humanismo.
Um importante trabalho se destaca neste período, o de Vittorino da Feltre, que fundou uma escola na Itália, cujo lema era: “Vinde meninos, aqui se ensina, não se atormenta”. O que fez com que várias outras escolas fossem criadas, surgem as academias e suprimento das falhas das universidades por instituições privadas.
A educação religiosa se torna importante instrumento para a divulgação da Reforma, por dar condições a todos os homens de leitura e interpretação da Bíblia. Lutero (1483-1546) e Melanchthon (1497-1560) trabalharam para a implantação da escola primária para todos, defendiam a educação universal e pública, e repudiaram os castigos e criticaram a proposta Escolástica.
Mas, neste mesmo contexto, percebe-se a divisão entre classes, para as classes trabalhadoras, uma educação primária e elementar e para as privilegiadas o ensino médio e superior é reservado.
O que não é diferente da sociedade atual, pouco são os que têm acesso a boas escolas, a um ensino de boa qualidade, e muitos fazem parte de um ensino inferior, e cada vez se torna mais difícil o egresso na Universidade. Pois vivemos e fazemos parte de uma sociedade capitalista.

- Anúncio -